Bem vindo! Willkommen! Você chegou  a “casa virtual” da Zotter Chocolates. Aqui você encontra notícias sobre os bastidores da fantástica fábrica de chocolates, detalhes e curiosidades sobre nossas linhas de produto, novidades sobre orgânicos e comércio justo, receitas de lamber os beiços e muito mais.

  • Academy-Of-LondonSlider

    Zotter premiado em Londres

    Chocolate Premiado em Londres Zotter ganha diversos prêmios: 2 x Ouro, 8 x Prata e 5 x Bronze Todos os...

  • Header

    Labooko Coco

    De formato pouco comum, Andreas H. Gratze optou por compor a embalagem da “barra com espírito caribenho” na Era Eduardiana...

  • Slider

    Lançamento: Labooko Superfood “Medium Raw” 75%

    A Zotter criou esse “super-chocolate”, assim chamado por conter “super ingredientes” (Superfood). Além dos anti-oxidantes contidos nos 75% de porcentagem...

  • Slider

    Chocolate da Índia?!

    Cacau da Índia? Com certeza não é de forma alguma algo a que se associe de imediato com o país...

  • SolarPanel

    De onde vem a energia?

    Global Nos meses frios, é quando se percebe mais particularmente, a ausência de energia. Alguns raios de sol podem ajudar...

  • slider

    Labooko Coco e Comfort Food

    Ao provar o chocolate Labooko coco, eu tive uma epifania. Um insight. Durante a degustação, minhas células olfativas e gustatórias...

  • ZotterHandscooped

    Biografia Zotter / Linha do Tempo

    Josef Zotter, nasce em 21. de fevereiro de 1961 em Feldbach (Estíria, Áustria). Aprendizado da profissão de cozinheiro/garçon e confeiteiro...

  • Cacaulindoslider

    Qual a diferença entre chocolate orgânico e não-orgânico?

    Esse post inaugura uma série de investigações sobre chocolate orgânico. Na verdade, de muitos dos ingredientes que estão envolvidos na...

  • ImagemSlider

    Zotter do Grão-à-Barra

    Como é feito o chocolate? O chocolatier Josef Zotter faz suas criações na propria fábrica, processo conhecido como Bean-2-Bar (Grão-à-Barra)...

  • FamiliaMitzi1

    Ousados, Selvagens e Redondos – Família Mitzi Blue

    Ousado, selvagem e redondo – Mitzi Blue está engajado com as últimas tendências. Títulos Cativantes, design moderno e um pequeno...

Header

De formato pouco comum, Andreas H. Gratze optou por compor a embalagem da “barra com espírito caribenho” na Era Eduardiana [1] – talvez pela sua inerente suntuosidade, ou mesmo para estabelecer um contraponto à ligação ao Caribe.

Nos jardins de cacau das fincas [2], as enormes folhas de cacau provêm sombra para as árvores. Os dois se reencontram nessa criação. Josef Zotter usou sua criatividade intempestiva para criar esse novo gênero de chocolate: as barras frutadas – todas contêm um alto conteúdo de fruta in natura e todos acabam por perguntar-se como é possível manter o sabor inteiramente original, além é claro de preservar a cor de cada fruto escolhido nesse segmento de frutados. Além do coco, temos um leve aroma de limão. Ele é vegano e sem lactose. Aqui temos um refinado chocolate de coco feito a base de raspas da polpa da fruta e do leite de coco, que substitui o tradicional componente leite de origem animal.

A obra-de-arte está completa com açúcar mascavo não processado e alguma manteiga de cacau. Um sabor  inesquecível e inigualável. 2 barras x 35g.

A moda Eduardiana é peculiar, a partir desse período as mulheres libertaram-se dos repressores corsets. Tal fenômeno dá-se de forma coerente, acontecendo em paralelo com os movimentos sociais e de valorização da mulher dentro de contextos sociais mais amplos.

Ediardiana

As formas de vestuários tornaram-sem bem mais soltas e fluídas e era imposível distinguir à primeira vista as formas femininas antes tão bem delineadas e definitivamente com claro apelo sexual.

Ediardiana2

O corpo feminino, pela primeira vez na história moderna vai deixar de ser objeto – influências claras da Belle Époque e do Art Noveau. Décadas mais tarde de, a multi-artista Rei Kawakubo vai radicalizar esse processo, quando em sua famosa coleção pauperista já não existem formas que possam ser consideradas femininas ou masculinas.

Rei

As roupas assim deixam a sexualização excessivamente conectada à submissão feminina em direção a uma nova era, com novos eixos e objetivos de moda. Nossa heroína no entanto, vai além no quesito libertário, com o corte de cabelo assimétrico, sendo que de um dos lados ela beira o cabelo punk, quase raspado.

quasipunk

Em paralelo às mudanças promovidas na Europa, a figura escolhida para representar no nobre coco foram as gueixas e suas posturas típicas, claramente visíveis na imagem de Andreas H. Gratze.

Gueisha

Gueisha2

É nesse clima pluri-cultural de mudança, inovação e simultaneamente profunda reserva e respeito que a nobilíssima figura do coco aparece na atmosfera pacífica com o azul do céu caribenho ao fundo – pensativa – ela segura docemente um fruto de cacau.

Delicada, sutil e tal qual um belo desenho a lápis – sugerindo o conteúdo que se descortinará em breve. O chocolate de coco Zotter é pura poesia Eduardiana e tradição milenar das gueixas em fusão.

As barras poderiam sem dúvida alguma serem oriundas das penas encantadas de Kipling, Bennett, de La Mare, Masefield ou de Yeats, os luminares da poesia do período. Delicadamente, como quem lê um poema, ou aprecia a sutileza das gueixas, prove da nossa composição neo-eduardiana…

O Labooko coco pode ser encontrado na nossa loja virtual aqui —-> http://bit.ly/1kE5w62

[1] A era Eduardiana ou período Eduardiano corresponde ao período de 1901 a 1910 no Reino Unido, durante o reinado do Rei Eduardo VII. A morte da rainha Vitória do Reino Unido em Janeiro de 1901 e a sucessão de seu filho Eduardo, marcaram o fim da era Vitoriana. Enquanto Vitória havia evitado a Sociedade, Eduardo era o líder de uma elite elegante que definiu um estilo influenciado pela arte e moda da Europa – talvez devido a predileção do Rei em viajar. A Época foi marcada por mudanças políticas significativas, como setores da sociedade que haviam sido excluídos em grande parte do poder empunhado no passado, tais como trabalhadores e mulheres comuns, tornaram-se cada vez mais politizado. Hattersley, Roy (2004). Os Eduardianos. London: Little, Brown. ISBN 0-316-72537-4

[2] A finca [Finka] (Espanhol para “terreno”) refere-se a um pedaço de terra rural ou agrícola, tipicamente com uma casa de campo, quinta ou construções imobiliárias presentes, e muitas vezes ao lado de uma floresta ou plantação. Especialmente no turismo o termo recentemente ganhou o significado coloquial de uma casa de férias em um ambiente rural, situado no continente espanhol, Baleares e Canárias, e em todos os países de língua espanhola da América Latina. Propriedades rurais semelhantes podem ser encontrados na Itália, apesar de ter um nome diferente. Em algumas regiões, no entanto, embora especialmente nos Baleares, novos edifícios são erguidos, que pelo seu estilo e configurações aparentes, lembra, e são orientados ao longo das linhas de um finca. http://en.wikipedia.org/wiki/Finca (recuperado 22/12/14)

Labooko "Ao Leite Vegetal" de Milhete (Painço)
Zotter premiado em Londres

FEEDBACK