Bem vindo! Willkommen! Você chegou  a “casa virtual” da Zotter Chocolates. Aqui você encontra notícias sobre os bastidores da fantástica fábrica de chocolates, detalhes e curiosidades sobre nossas linhas de produto, novidades sobre orgânicos e comércio justo, receitas de lamber os beiços e muito mais.

  • Academy-Of-LondonSlider

    Zotter premiado em Londres

    Chocolate Premiado em Londres Zotter ganha diversos prêmios: 2 x Ouro, 8 x Prata e 5 x Bronze Todos os...

  • Header

    Labooko Coco

    De formato pouco comum, Andreas H. Gratze optou por compor a embalagem da “barra com espírito caribenho” na Era Eduardiana...

  • Slider

    Lançamento: Labooko Superfood “Medium Raw” 75%

    A Zotter criou esse “super-chocolate”, assim chamado por conter “super ingredientes” (Superfood). Além dos anti-oxidantes contidos nos 75% de porcentagem...

  • Slider

    Chocolate da Índia?!

    Cacau da Índia? Com certeza não é de forma alguma algo a que se associe de imediato com o país...

  • SolarPanel

    De onde vem a energia?

    Global Nos meses frios, é quando se percebe mais particularmente, a ausência de energia. Alguns raios de sol podem ajudar...

  • slider

    Labooko Coco e Comfort Food

    Ao provar o chocolate Labooko coco, eu tive uma epifania. Um insight. Durante a degustação, minhas células olfativas e gustatórias...

  • ZotterHandscooped

    Biografia Zotter / Linha do Tempo

    Josef Zotter, nasce em 21. de fevereiro de 1961 em Feldbach (Estíria, Áustria). Aprendizado da profissão de cozinheiro/garçon e confeiteiro...

  • Cacaulindoslider

    Qual a diferença entre chocolate orgânico e não-orgânico?

    Esse post inaugura uma série de investigações sobre chocolate orgânico. Na verdade, de muitos dos ingredientes que estão envolvidos na...

  • ImagemSlider

    Zotter do Grão-à-Barra

    Como é feito o chocolate? O chocolatier Josef Zotter faz suas criações na propria fábrica, processo conhecido como Bean-2-Bar (Grão-à-Barra)...

  • FamiliaMitzi1

    Ousados, Selvagens e Redondos – Família Mitzi Blue

    Ousado, selvagem e redondo – Mitzi Blue está engajado com as últimas tendências. Títulos Cativantes, design moderno e um pequeno...

SolarPanel

Global

Nos meses frios, é quando se percebe mais particularmente, a ausência de energia. Alguns raios de sol podem ajudar a trazer parte do seu bom humor de volta e quem sabe seu orçamento de energia volte aos trilhos também. A energia solar é simplesmente fascinante. Na verdade, ainda gosto da idade da pedra onde queimava-se absolutamente tudo o que estivesse à mão para se obter energia. E então eu me pergunto: por quê não faria então mais sentido usar a energia que já está aqui, bem próximo a nós? Em um único dia, o sol emite uma quantidade de energia para a Terra, de modo que a demanda global poderia ser inteiramente suprida por oito anos. E o mais impressionante é que o potencial técnico para o uso de energia solar, eólica, biomassa, ou seja, as técnicas desenvolvidas para o uso de energia renovável já podem multiplicar agora seis vezes mais do que as necessidadesenergéticas atuais do planeta.

Não obstante esses fatos, os políticos alemães decidiram agora pela extensão da vida útil das centrais nucleares, embora não exista ainda (já há mais de 50 anos) um lugar para o Adobe ReaderScreenSnapz001depósito final dos resíduos atômicos. Além disso, os cidadãos têm que pagar altos impostos para a eliminação desses resíduos nucleares. Na Áustria não há usinas nucleares, graças à um movimento de resistência muito bem sucedido. A população decidiu em plebiscito contra a energia nuclear. E por não ter unidades de produção de energia atômica, a Áustria está limpa ou livre de contaminação? Claro que não, pois existem várias as usinas nucleares em países vizinhos, de onde se obtém energia, compondo um mix geral. Nesse mix de corporações que são responsáveis pelo suprimento, na Áustria é possível que detecte-se até 28 por cento de energia nuclear levando em conta o total de energia consumida.

Não é minha intenção aqui descrever ainda mais os riscos de produção de energia como essa, mas apenas falar sobre as possibilidades não utilizadas. Está suficientemente claro que a extensão da vida útil das centrais nucleares e a operação de CO2 arremessado na atmosfera pelas usinas de carvão bloqueiam por completo o desenvolvimento de energias renováveis. Quero apresentar os resultados de relatórios dos principais institutos de pesquisa, como o Instituto Internacional para a Análise de Sistemas Aplicados (IIASA) na Áustria, que demonstra a necessidade imediata de reduzir as emissões de gases que provocam o efeito estufa em todo o mundo até o ano de 2050 a 20 por cento abaixo do nível de 2000, para a proteção do clima da forma como ele se encontra hoje. Basta observar o exemplo da China e da Índia para chegar-se à conclusão que isso dificilmente acontecerá.

 

O que temos como opções?

A energia está lá, na verdade, não existe custo algum – ou seja – não há necessidade nenhuma de perfuração ou um procedimento similar, pois a tecnologia também está disponível. Então o que está faltando? Os cabos. Esse com certeza não é um grande desafio para os engenheiros modernos. A modernização das redes exigiria até 2050 o investimento total de cerca de € 209 bilhões de euros (R$ 662 trilhões, 832 milhões e 423 mil reais – no câmbio atual – novembro de 2014). Aplicando ao preço atual, isto representa um aumento de 0,15 centavos de dólar por quilowatt-hora, ou seja – menos de um por cento do total. Em seguida, um estudo realizado pela Shell e pela BP, o que naturalmente também estão interessadas no futuro de seus negócios – em que a produção e instalação de sistemas solares poderiam, eventualmente com essa soma, criar seis vezes mais empregos, em comparação, caso o mesmo investimento fosse feito na indústria petrolífera.

Mas e se de repente ficamos no escuro? É sempre um suposto argumento afirmar que as energias renováveis não são suficientemente estáveis e caso fossem usadas haveriam flutuações de energia muito frequentemente, a ponto de interromper a produção industrial e até o consumo doméstico – é o principal ponto dos que defendem a continuidade do uso das tecnologias em funcionamento. Digamos que uma hora o vento não está soprando, algumas dias o sol brilha, mas em outros não. Cientistas de enorme criatividade, têm encontrado respostas para esta pergunta: O projeto é chamado DESERTEC – Energia Limpa do deserto, onde o sol brilha incessantemente e de forma perene. Com linhas de corrente contínuas de energia elétrica limpa de alta tensão obtidas a partir de energia solar e eólica ao longo de milhares de quilômetros podem ser distribuídas nas cidades do globo.

No deserto, agora podem surgir usinas termo-solares, que têm um sistema fotovoltaico, além de terem a vantagem de que o seu calor, diferente da eletricidade convencional, podem-se minimizar as perdas em grandes quantidades. É possível também regular as usinas termo-solares e adaptá-las a diferente necessidades. A produção atual de energia eólica e solar é realmente variável e está diretamente ligada às condições meteorológicas momentâneas. As unidades de energia solar térmica pode fechar por completo esta lacuna. Para deixar de obter energia a partir das fontes de convencionais, nós vamos precisamos esperar um pouco mais, embora não existam razões. Josef Zotter encontrou sua própria saída – que funciona maravilhosamente bem.

Regional

“Claro que você pode esperar que vizinho começe, mas eu não tenho essa mentalidade”, explica Josef Zotter. “Não estamos à espera de energia “limpa”, nós já a possuímos.”

SeppSolarPanel

O Edible Zoo, que foi inaugurado em 01 de maio de 2011 é completamente auto-suficiente no que diz respeito a energia. O Parque é alimentado por um sistema fotovoltaico com 630 qm2 de superfície. É composto por nove módulos fotovoltaicos (PV), com uma capacidade máxima de 7,5 quilowatts. Eles se voltam para o sol como girassóis e produzem em mais de 100 mil KWh. O que Josef Zotter particularmente gosta é o efeito colateral do sistema fotovoltaico, pois ele é uma espécie de playground popular entre os animais. Para eles, é como se fosse uma árvore de grande porte que proporciona muita sombra. A corrente do sistema fotovoltaico impulsiona a bomba de circulação e o equipamento de troca para extração de energia geotérmica. Os tubos geotérmicos do parque estão enterrados a 1,8 m de profundidade do solo. Estes são colectores de superfície. Josef Zotter está bastante satisfeito com a energia geotérmica: “A energia geotérmica é grande, você precisa de 1/3 e tem 2/3 de energia sem custos extras.” Com a geotérmica, todo o abastecimento de água quente e aquecimento do jardim zoológico comestível é coberto.

EdibleZoo

Mesmo no Mobile Egg – o galinheiro móvel que vagueia em torno das terras e a fertiliza – Josef Zotter não sentiu de maneira alguma incômodo ao instalar um painel fotovoltaico no Adobe ReaderScreenSnapz007telhado. Foi feito uso inteligente da tecnologia atual, o que inclui de um lado a produção de energia limpa e, do outro lado, a enorme economia de energia. Todos os novos edifícios da manufatura foram concebidos de forma paisagística, com amplos jardins, assim não há espaço verde perdido. Além disso, Sepp Zotter optou pela terraplanagem. Os estábulos também estão instalados no solo, assim eles ficam aquecidos no inverno e no verão naturalmente fresco. Para os animais é bom, também porque tem uma aparência muito mais natural do que celeiros convencionais.

Nesse exemplo da Zotter, a energia se obtém por economia de energia. Isto também funciona para a confecção de produtos na manufatura. No processamento de chocolate, a energia é reciclada continuamente, até que ela seja extinta. A água quente é aquecida pela queima de material. E quando ela é expelida ao final do processo está em torno apenas de 25 ° C ao invés de 140 ° C.

Também na construção geral da Manufatura Josef Zotter pensou que além de madeira e painéis, nada mais seria necessário. Os painéis têm a vantagem de serem tecnicamente para a indústria alimentícia ideais, além de possuírem também isolamento térmico. Com grandes painéis de vidro, especialmente no escritório – a premissas é armazenar uma grande Adobe ReaderScreenSnapz004quantidade de energia. E na frente da casa é uma usina própria de vapor da biomassa que é posta em ação com madeira e todos os demais resíduos orgânicos. Também as cascas de cacau são queimadas e usadas como fonte fornecedora de energia. As cascas de cacau da fábrica de chocolate também caem na superfície, onde elas protegem e fertilizam o solo ao mesmo tempo.

Existir totalmente sem a presença um fornecedor oficial de electricidade ainda não é o caso de Josef Zotter. Isso porque apenas 10 por cento da energia do sistema fotovoltaico é usada na oficina, o resto é utilizado na infra-estrutura do parque. Há anos Zotter é um fiel cliente da Weizer Natur Energie – empresa de fornecimento de energia natural de energia 100 por cento renovável. “Particularmente, eu sou totalmente a favor da energia totalmente auto-suficiente”, disse Zotter. Porque em sua fazenda própria há também um sistema fotovoltaico. Uma vez que, é claro, já que uma grande quantidade de electricidade é produzida, essa é direcionada à rede geral de alimentação à rede que abastece a região .

 

Electricidade e CO2 – formas simples de poupar

O Greenpeace tem uma ferramenta muito interessante e engraçada em sua página inicial com 1.000.000 dicas sobre como economizar CO2. Do papel higiênico reciclado em lâmpadas que economizam energia ao cabelo seco ao ar (para homens), existe algo para todos. “Se cada um fizesse somente 10 por cento de mudança, então o mundo seria 10 por cento melhor – que é o fascinante” Josef Zotter

Qual é a situação dos agricultores orgânicos nas montanhas da Áustria?
Chocolate da Índia?!

FEEDBACK